segunda-feira, 20 de junho de 2011

Designer de Moda - Profissão

Nome: Francine Lacerda
Idade: 33 anos

Formação acadêmica: Graduação: Publicidade e Propaganda.

Curso complementares: Estilismo, Desenho de moda, Técnico Vestuário Senai, Modelagem, História da arte.


Onde / com o que exatamente trabalha: Tenho uma marca própria de roupas e acessórios de tecido, a Francine Lacerda Criações Têxteis.
Sobre os estudos: Para entrar no mercado de criação de moda não é necessário ser graduado em moda, mas é fundamental ter conhecimentos técnicos de modelagem, corte e costura e de tecidos. E o mais importante na minha opinião, principalmente para quem trabalha com criatividade, é ter conhecimento amplo de estética, arte, arquitetura... E ter uma curiosidade sem fim. A bagagem cultural que você adquire durante sua formação está diretamente relacionada com o resultado do seu trabalho, da sua interpretação das tendências, das pesquisas de temas. A graduação é importante, mas deve ser complementada com cursos de diversas áreas que estimulem a criatividade.
Sobre a profissão: O dia a dia de um profissional de moda está longe do glamour que existe no pensamento coletivo. É sim muito divertido, mas também há trabalho duro, prazos apertados, relacionamentos difíceis com fornecedores e por aí vai. Mas no momento que você está pesquisando um tema e a criatividade pode correr solta é uma delícia. Montar cartelas de cores, escolher tecidos, tudo isso é uma festa pra mim. ;) Toda profissão tem seus altos e baixos, o importante é saber lidar com os tropeços e se divertir muito.
O que faz designer de moda?  O designer de moda tem que ser multi função. Depende muito de empresa para empresa, mas no geral ele é responsável pela criação de produtos de moda, baseados em um tema proposto para a estação. Cria cartelas de cores, escolhe tecidos, faz fichas técnicas ou desenhos artísticos, trabalha diretamente com a/o modelista, e faz aprovação de peças piloto que formarão a coleção.
Mercado para esta área: O mercado de moda tem se expandido muito nos últimos tempos, e com isso, há mais vagas disponíveis. O importante para se destacar, acredito que seja investir em formação e em um portfolio criativo e variado. E o melhor caminho para entrar no mercado é o estágio, você aprende muito na prática. A vivência que você adquire nenhum curso oferece.
Formação mínima necessária: Acredito que o fundamental é ser criativo e curioso. Complemente com cursos técnicos (modelagem, costura e desenho).
Como é o dia a dia da profissão: Envolve pesquisas de temas, de tendências, tem que ficar de olho no que acontece no mundo e na moda. Você desenha, cria cartelas de cores, de inspiração, atende fornecedores... O meu dia a dia é ainda mais cheio, pois eu faço a modelagem e o corte, cuido do produto do início ao fim. E ainda da divulgação, envio e pós venda. Uffa! Trabalho muito com encomendas, então é importante atender os clientes e ainda desenvolver modelos novos. É corrido, mas é muito bom, não troco por nada.
Quais as maiores dificuldades da área? Pra mim a maior dificuldade é com os fornecedores de tecidos e aviamentos. Acredito que o Brasil ainda tem muito o que melhorar nessa área.
Você sempre quis entrar nessa área? Eu sempre gostei de moda, mas decidi cursar publicidade, área que também adoro. Mas durante a faculdade fiz estágios ligados a moda, e aí a paixão veio a tona e vi que era isso que eu queria. Junto com a faculdade fiz cursos de estilismo e desenho de moda e não parei mais.
Como você começou a sua marca? Comecei fazendo bolsas para mim, por pura diversão, para aprender a costurar. No início vendia para as amigas e familiares, depois comecei a publicar na internet e atingi outros públicos. Depois ao comprar uma boneca Blythe comecei a fazer roupinhas para as colecionadoras, e foi o maior sucesso, vendi para vários países. Aí decidi fazer roupa para gente grande. ;) E é o meu produto principal agora.
Quais os seus projetos futuros? Um ponto físico para vender minhas peças. Vender pela internet é muito legal, mas o contato com o seu cliente é muito bom.
Com você enxerga o boom de informações que houve com a ascensão dos blogs de moda? Acredito que os blogs de moda democratizaram a informação de moda. Adoro e lei vários blogs, mas como o boom foi muito grande, há muitos blogs superficiais e repetitivos, acho fundamental criar um conteúdo inteligente e de opinião.
Qual a melhor e a pior parte do mundo da moda? A melhor parte é a criatividade e saber usar a moda como informação, comunicação e linguagem. O pior é a afetação e a futilidade com as quais muitas pessoas encaram e encarnam a moda.
Para você, quais as mulheres que merecem o título de ícones fashion? As que tem estilo naturalmente, e sabem usar a moda a seu favor sem afetação.
Para quem está entrando no mercado de trabalho, qual a sua dica? Seja curioso, e estude muito de tudo um muito.
Qual o conselho para quem quer entrar nessa área? Procure um estágio, seja comprometido e responsável.

Alguns trabalhos da Francine Lacerda

6 comentários:

  1. Adorei Cris! Obrigada pelo convite. Bj

    ResponderExcluir
  2. Francine
    eu que adorei a entrevista, ficou muito liiiinda *.* Obrigada

    ResponderExcluir
  3. Muito boa a entrevista. Fiquei mais informada sobre a carreira de moda.

    Luma

    http://modaeboaforma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Amei a entrevista, foi muito bom saber mais sobre a área de moda, eu conclui Tecnólogo em Design de moda ano passado mas ainda não trabalhei na área.
    Parabéns pelo blog :)

    ResponderExcluir
  5. Sarinha
    Ah que lindo flor, você cursou qual faculdade?
    Beijos e obrigada

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...